A famosa carta de recomendação! Necessária para a grande maioria dos programas no exterior mas temida por muitos candidatos que estão em busca de uma oportunidade lá fora. Esse documento é a oportunidade ideal para mostrar o candidato sob os olhos de um terceiro. E assim complementar a carta de motivação ou a carta pessoal. É através dela que é possível mostrar uma visão macro da sua carreira profissional e(ou) acadêmica. É também o momento de apresentar detalhes diferentes dos que foram explanados nos outros documentos necessários para a application. Mas quem é a pessoa ideal para escrever sua carta de recomendação? Isso é o que você vai descobrir agora.

O escolhido deve aproveitar essa oportunidade para focar em demonstrar como o candidato para a vaga se destacou em determinados projetos ou trabalhos. Além disso, também contar características deste que podem ser relevantes para o programa mas não necessariamente se adequaram a carta pessoal ou de motivação. Portanto, já que essa tal carta é tão importante, a pessoa que a escreve é tão relevante quanto. O perfil perfeito do escritor de sua carta de motivação dependerá sempre do programa. No entanto existem 3 coisas que, independente do destino da application, costumam tornar esse indivíduo extremamente adequado para prover a carta.

3 características para observar na hora de decidir a pessoa ideal para escrever sua carta de recomendação:

A primeira característica:

Escolher uma pessoa que te conhece a certo tempo e que tenha presenciado seu crescimento acadêmico, profissional e pessoal.  Isso é importante pois essa pessoa será capaz de falar com mais propriedade sobre você como aluno ou funcionário. E dessa forma mostrar que pelo tempo que te conheceu você demostrou qualidade válidas ao ponto de ser escolhido para a vaga.

A segunda característica:

Optar por alguém que tenha tempo para estudar de fato o programa para o qual você esta se aplicando assim como o perfil de candidato procurado. Isso se deve ao fato de que determinados programas buscam por qualidades específicas em seus candidatos. Dessa forma o autor da carta poderá dar um maior destaque à elas. Um exemplo muito comum é o perfil de liderança que é sempre muito requisitado pelos programas no exterior.

A terceira e mais importante:

Procurar por uma pessoa que possar dar exemplos práticos de situações onde você mostrou excelência em suas atividades. E também determinação para com seus objetivos no futuro. Assim, além de apenas contar ela poderá mostrar do que você é capaz. Esse é o modelo “Show Don’t Tell” tão apreciado pelos programas no exterior. Através desse meio de escrita, a pessoa que estiver dissertando sua carta poderá mostrar seu diferencial como candidato ao trazer maior realidade às situações citadas. Por exemplo, suponha que em seu currículo está escrito que você realizou um projeto de extensão por 2 anos. E que, além disso,  também desenvolveu novas iniciativas dentro dele. Seu professor ou superior poderá dissertar algum evento dentro desse projeto em que as iniciativas que você criou se mostraram  úteis e inovadoras. E assim assinalar como elas impactaram a universidade e o ambiante ao seu redor.

Agora você já sabe o que avaliar para decidir a pessoa ideal para escrever sua carta de recomendação. Te desejo muita sorte em sua application! E para se preparar ainda mais nesse processo de busca por bolsas no exterior você ainda pode contar com o apoio de uma mentoria especializada na área. Já pensou nessa possibilidade?

Gabrielle Hayashi

Gabrielle Hayashi

Internacionalista, aprovada em mais de 9 bolsas de estudos e 17 programas internacionais. Empreendedora, fundou sua própria empresa aos 19 anos onde ajuda jovens a estudar no exterior.

Leave a Reply