Viajar pra fora é quase sinônimo de voltar pra casa com mais bagagem cultural. Muitos dizem que regressamos mais inteligentes, cultos e abertos para o mundo. Outros que a experiência educacional lá fora é, por si só, capaz de impressionar qualquer futuro empregador. Mas a realidade é que, assim como em tudo na vida, conseguimos nos beneficiar da nossa viagem na mesma intensidade com que nos dedicamos a ela. Em outras palavras: só viajar não é suficiente. Sabe por quê? É preciso se entregar a experiência. Para isso um bom primeiro passo é estabelecer objetivos para o intercâmbio. E isso antes mesmo que ele aconteça.

Os intercambistas que mais se beneficiam dessa experiência e que mais se desenvolvem são aqueles que se desafiam a não ficar no comodismo da convivência em grupos fechados. São os que se arriscam em fazer coisas sozinhos e se integram à comunidade local. Ou seja, essa é a melhor forma de viver uma experiência de intercâmbio enriquecedora.

Então pare agora e pense no motivo pelo qual você quer estudar fora em primeiro lugar. Pense além do âmbito profissional e acadêmico. Defina metas pessoais que vão te encorajar a se envolver em um nível mais profundo com esse novo ambiente que você vai vivenciar e com todas as pessoas que você irá encontrar por lá.

Obviamente cada pessoa irá estabelecer objetivos para um intercâmbio inesquecível a partir de vivências e opiniões totalmente pessoais. Mas vamos te ajudar agora com algumas dicas:

4 exemplos de objetivos para um intercâmbio 100%

Aprendendo uma nova língua

Se o seu grande objetivo pessoal em estudar no exterior é aprender um novo idioma tenha em mente que imersão é fundamental. Se você quer se destacar o máximo possível não espere chegar até o seu destino para começar a praticar.

Inicie aprendendo o básico antes da viagem e procure fazer contato com pessoas que falam a língua que você está estudando. Ao chegar no destino pratique o que você sabe em todas as oportunidades possíveis. Absorva o máximo possível inclusive fora das aulas. Seja através de anotações ou simplesmente escutando atentamente as conversas dos locais no transporte público.

Engajando com pessoas locais

Quer realmente entender o seu país e cidade de destino no nível mais profundo possível? Então procure se integrar aos locais. Faça amizade com eles e você irá ver o quanto isso é benéfico. Isso porque só essas pessoas irão te mostrar o lugar como ele realmente é, com todos os seus segredos e cantinhos escondidos. E além disso, bem longe do circuito turístico clichê. E sem falar na rede de contatos global que você irá fazer e que pode ser bem benéfica para sua carreira no futuro.

Se abrindo para o mundo

Dizem que estudar no exterior nos deixa com a mente mais aberta. Mas isso não acontece automaticamente. Precisamos estar dispostos a isso. Estudar no exterior irá te expor a novas experiências e diferentes formas de viver. São regras diferentes, costumes distintos, alimentes desconhecidos, etc. Será que você está realmente disposto a encarar tudo isso sem julgamentos?

Também é importante ficar ciente de como o seu comportamento irá ser percebido pelos locais. Evite comparações com sua cultura e com as coisas com que você está acostumado. A partir disso você irá sentir uma mudança de perspectiva genuína.

Aprecie a diversidade

Este é um excelente objetivo pessoal que pode ser amplamente explorado, especialmente se você for estudar no exterior em uma grande cidade global. Quer lugar melhor para encarar a diversidade em seu significado mais completo? Ademais em lugares como esse você irá encontrar pessoas de todo o mundo e ouvirá diversas línguas diferentes nas ruas. Tente sair da sua zona de conforto e participe do maior número possível de eventos e atividades culturais de diferentes nichos culturais e/ou religiosos.

Esses são apenas alguns exemplos de objetivos para um intercâmbio incrível que podem ser traçados por você desde já. Quais outros você tem em mente? Como espera colocá-los em prática? Já pensou em contar com a ajuda de uma mentoria especializada para isso?

 

Matheus Tomoto

Matheus Tomoto

Estudou em escola pública, aprendeu inglês sozinho em 3 meses, foi aceito nas 10 melhores faculdades dos Estados Unidos, trabalhou no MIT (melhor faculdade de tecnologia do mundo), representa o Brasil na Delegação Brasileira de Jovens da ONU, recebeu proposta da NASA e atualmente trabalha como pesquisador em HARVARD. É escritor, palestrante e mentor de pessoas que desejam buscar uma oportunidade no exterior.

Leave a Reply