Se você tem o sonho de conseguir uma bolsa de estudos no exterior, fique sabendo desde já que muito provavelmente você terá que escrever uma carta de motivação. Esse é o momento que você tem, como candidato, que mostrar quem é de verdade e quais são suas motivações para querer estudar no exterior. É por isso que o mais importante é ser autêntico. Os avaliadores que vão ler essa carta querem ver, através dela, quem é a pessoa que eles estão avaliando e se ela realmente merece essa oportunidade.

Em outra palavras, você precisa “se vender” através dessa carta. Ela deve ser, ao mesmo tempo, convincente, direta e sucinta. E atenção: o que você vai colocar nessa carta pode representar a diferença entre a sua aprovação ou reprovação.

Confira como escrever uma carta de motivação perfeita:

Pesquise bem sobre a universidade

Você deve deixar transparecer na sua carta que pesquisou bem sobre a universidade e sobre o programa que está tentando entrar. Mas isso, claro, de forma indireta. Procure saber que tipo de candidato eles estão esperando e quais são os valores que eles mais prezam. A partir disso faça uma carta que mostre como essas características estão presentes na sua personalidade.

Seja autêntico

Não queira mostrar ser algo que você não é de verdade. Os avaliadores querem ver alguém verdadeiro. Então seja realista. Procure mostrar o que tem de diferente dos outros candidatos sem parecer convencido. Seja humilde e procure demostrar os seus feitos sem se vangloriar por eles.

Seja simples no texto

Não tenta florear demais o texto para os avaliadores pensarem que você é uma pessoa academicamente perfeita. Isso pode virar uma armadilha. Por exemplo: evite citações de autores famosos e frases de efeito. Não se venda como um acadêmico quadrado. Tente se diferenciar pela simplicidade e objetividade.

Com relação a apresentação da carta opte sempre por fontes mais simples e tamanhos dentro do padrão, nem pequenos e nem grandes demais. Respeite os limites de carácteres, se houver. Se não, faça um texto curto. Nunca passe das 500 palavras.

Peça opinião de quem entende do assunto

Se você está na universidade no Brasil peça para algum professor ler a carta e dar feedbacks. E o mais importante: aceite-os para tentar melhorar. Também é válido tentar falar com alguém que já tenha tentado (e conseguido) a mesma bolsa para a qual você está aplicando. Procure saber o que foi que ele ou ela escreveu e peça dicas.

Cuidado com o inglês

Fuja com todas as suas forças do Google Translate e outros aplicativos de tradução. Erros gramaticais não vão ser motivo para sua eliminação. Os seus avaliadores vão querer ver se você realmente se dedicou par escrever a carta. E alguns erros pequenos que não comprometam o entendimento da leitura podem até servir como prova disso. Ademais, se você tirar uma nota mediana no teste de proficiência e entregar uma carta gramaticalmente perfeita vai ser no mínimo estranho para eles. Agora, erros ortográficos são IMPERDOÁVEIS. Então tenha todo cuidado do mundo para que eles não ocorram. Revise seu texto quantas vezes forem necessárias antes de enviar.

E agora? Acha que consegue seguir todas essas dicas na hora de escrever sua carta? O mais importante de tudo é ser capaz de demonstrar, através dela, que você dedicou seu tempo e capacidade reflexiva para escrever algo pessoal. Ou seja, você deve escrever algo que realmente reflita a sua personalidade. Para se sentir ainda mais seguro na hora de escrever uma carta de motivação o ideal é contar com o apoio de uma mentoria especializada como a nossa. Faça agora mesmo o seu teste de perfil clicando aqui.


Rafael Cerqueira

Rafael Cerqueira

Jornalista de 26 anos que adora viajar. Baiano que já viveu em Minas, em São Paulo, em Portugal e na Argentina. Conhece 26 países e tem o sonho de conhecer muito mais. Acredita que o mundo é grande demais e o tempo muito curto pra ficarmos parados sempre no mesmo lugar.

+100 aulas sobre intercâmbios por apenas 99 centavos
+100 aulas sobre intercâmbios por apenas 99 centavos