Fazer graduação na Alemanha pode ser uma ótima opção para quem sonha em fazer faculdade em um país desenvolvido sem gastar uma pequena fortuna. O país é a opção perfeita por várias razões. Não a toa é o berço de muitos estudiosos famosos e pessoas influentes como Albert Einstein, Karl Marx e Beethoven! Apesar disso, como qualquer lugar, nem tudo por lá é perfeito. Por isso, confira os prós e os contras de fazer sua graduação na Alemanha!

Prós da Graduação na Alemanha

Ensino (quase) gratuito

Vamos começar com a melhor parte. Um dos principais prós de fazer sua graduação na Alemanha é que a maioria das faculdades não cobra mensalidades. Geralmente, elas cobram uma taxa administrativa, mas nada além disso! Como se isso não bastasse, o custo de vida também é super acessível na Alemanha. Em uma cidade grande, você provavelmente vai precisar de cerca de 900 euros por mês para viver confortavelmente. Em áreas menores e no interior, esse valor pode chegar próximo dos 500 euros.

As paisagens do país

A Alemanha tem um pouco de tudo: desde quilômetros de praias até os majestosos Alpes e as profundas florestas (mais de um terço do país é coberto por florestas!). A paisagem em si é linda e variada. Além disso, a Alemanha também abriga castelos medievais incríveis, aldeias encantadoras e belas igrejas. Sabia que o Castelo da Cinderela, por exemplo, foi inspirado no Castelo de Neuschwanstein, na Baviera?

Graduação na Alemanha: 7 prós e contras 1

O Castelo de Neuschwanstein serviu de inspiração para a criação do Castelo da Disney

Ensino de qualidade

As universidades alemãs são reconhecidas em todo o mundo e muitas têm uma boa classificação nos rankings mundiais. Só para ilustrar, o país abriga 47 universidades classificadas entre as melhores do mundo. A Universidade Técnica de Munique, por exemplo, é a principal instituição do país e a 55ª melhor universidade do mundo, de acordo com o QS World University Rankings.

Você vai ter diversas experiências culturais

A Alemanha tem uma cultura muito rica. Isso engloba tanto a história do país como a culinária e a arte, com o teatro e a música. Não importa em qual cidade você more por lá, sempre vai ter alguma atração para conhecer. Além disso, você também vai poder conhecer a cultura de outros intercambistas. São mais de 350 mil estudantes estrangeiros em todo o país!

Contras da Graduação na Alemanha

Aprender alemão pode ser difícil

Viver no exterior é sempre mais difícil por conta da barreira linguística. E o alemão definitivamente não é uma língua fácil de aprender! Com três opções de gênero para os substantivos, verbos separados e colocados ao longo da frase e sons difíceis de pronunciar, aprender a língua pode parecer impossível. Por conta disso, você vai ter que se esforçar em dobro!

Frankfurt-é-uma-das-opções-para-fazer-graduação-na-Alemanha

Frankfurt

Nem todas as universidades são bem equipadas

Recursos como laboratórios de informática de alta tecnologia, academias no campus e centros de vivência não estão disponíveis em todas as universidades da Alemanha. Além disso, as faculdades que possuem esses recursos provavelmente vão cobrar uma pequena taxa de utilização. Embora isso não seja o ideal, é uma compensação justa por ter um ensino quase gratuito!

As passagens aéreas são um pouco caras

Voar para a Alemanha é o primeiro passo para começar sua graduação no país. No entanto, as passagens aéreas para as cidades alemãs são um pouco caras. Dependendo do mês e do dia da viagem, o preço de uma passagem pode passar dos 2 mil reais. Por mais desolador que isso possa parecer, pense assim: o dinheiro que você vai economizar com as mensalidades e o custo de vida podem ser revertidos para a sua passagem!

Agora você decide

Vale a pena para você fazer a sua graduação na Alemanha? Se você respondeu “sim”, clique aqui e faça agora mesmo o seu teste de perfil. A nossa equipe de mentores vai te auxiliar a conquistar sua vaga por lá!

Quer acompanhar todos os nossos conteúdos? Então cadastre seu e-mail aqui para receber nossa newsletter semanal.


Lucas Almeida

Lucas Almeida

Mineiro, jornalista e mestrando em Comunicação. Entusiasta de idiomas, viagens e cibercultura. Tem o sonho de mudar o mundo, uma pauta de cada vez.