Ah, as fraternidades nos EUA… São sempre conhecidas por causa dos seus inúmeros filmes e séries… Tenho certeza que se você já assistiu Projeto X, Vizinhos, American Pie ou qualquer outro filme do tipo!

As fraternidades, fraternities para homens ou sororities ou irmandades para mulheres, são organizações sociais em faculdades e universidades. Em sua maior parte, estão localizadas nos Estados Unidos

Por mais que elas possam variar um pouco, elas sempre compartilham 5 coisas em comum:

  1. O Segredo. Tipo aquela regra número um do Clube da Luta. Você não fala do clube da luta;
  2. Associação de sexo único, ou seja, só meninos ou só meninas;
  3. Entrada de novos membros com base em um processo de seleção em duas partes, conhecido como rushing and pledging. Vou falar mais disso mais para frente;
  4. Ocupação de uma propriedade residencial onde moram membros de graduação, ou seja, eles possuem uma residência onde moram os membros
  5. Um conjunto de símbolos de identificação complexos que podem incluir letras gregas, conquistas heroicas, cifras, emblemas, pegadas, sinais de mão, senhas, flores e cores.

 

Se você sonha em estudar numa faculdade americana, já pode ter passado pela sua cabeça entrar em uma fraternidade ou irmandades dessas. Porém, aqui eu venho te passar um modelo diferente de fraternidade, uma visão diferente que eu só fui descobrir depois que comecei a estudar nos EUA. 

Eu estou há um ano fazendo Marketing na Flórida e queria dizer que essa é a minha visão e experiência com fraternidades. Tenho amigos que estão nelas e adoram, portanto, não leve tudo isso ao pé da letra.

Então vamos aos 10 motivos pelos quais eu não entrei e nem irei entrar em uma dessas fraternidades nos EUA.

1- Preço

Você sabia que você tem que pagar uma taxa anual, semestral ou mensal para estar em uma né? Sim! Além da tuition da faculdade, seu dormitório, alimentação, livros, custo de vida na faculdade americana, você também terá que pagar mais uma taxa em cima de tudo isso. Eu não sei o porquê, mas acho que o pessoal que doou para a minha vaquinha não iria gostar muito de saber que eu estava gastando o dinheiro deles para entrar em uma fraternidade.

2- Minha faculdade

A minha faculdade é a segunda maior faculdade católica dos Estados Unidos. Portanto, não preciso nem dizer que a visão de fraternidade deles é super diferente do estereótipo americano. Sim, existem várias na faculdade, porém, elas são bem mais reservadas e menos divulgadas. Então, por isso, não tive um incentivo muito grande a participar.

3- Pagar para ter amigos

É basicamente isso. Você paga uma taxa para poder fazer parte de um grupo de pessoas que também pagaram para fazer parte desse grupo. Você não escolhe eles, você é o escolhido. Consegui achar pessoas incríveis muito mais parecidas comigo na internet ou em eventos e conferências que eu fui por lá. Que, a propósito, são inúmeras.

4- Comportamento negativo

As fraternidades são conhecidas pelo seu comportamento negativo. Pessoas que gostam de sair, festar, beber e que não se importam muito com o seu futuro. Isso me leva para o meu quinto ponto…

5- Regra dos 5 amigos

Existe uma regra que diz que você é a média das 5 pessoas que você convive. Isso é muito verdade para mim. E eu acredito que a pessoa que eu quero ser não é a média das 5 pessoas que eu tenho comigo em uma dessas fraternidades nos EUA, sabe? E então, pela lógica, é melhor eu escolher bem com quem eu me conecto e me relaciono.

6- Tempo

Quem me conhece sabe da minha rotina. Estou num programa acelerado e avançado na faculdade. Além de fazer mais aulas do que qualquer um, eu ainda tenho bolsas. Essas coisas me fazem ter notas altíssimas, além de ter o melhor trabalho da faculdade e uma série de outras atividades. Já é difícil arrumar tempo para mim ou para a minha família… Imagina para uma fraternidade!

7- Bebidas

As fraternidades são conhecidas por terem festas com muitas bebidas. E nos EUA, para quem não sabe, a idade mínima para beber legalmente é 21 anos. Em outras palavras, muita gente consome bebidas alcoólicas ilegalmente por lá. E eu tenho um medo gigante de ser deportado, então prefiro ficar longe mesmo!

8- Processo de entrada

Como é mostrado nos filmes, em muitas fraternidades, existe um processo longo, árduo e humilhante para quem quiser ingressar em uma fraternidade. Isso pode incluir limpar casas depois de festas, se privar de sono, intoxicações e até simulações sexuais com objetos. Nem é necessário dizer que nem quero e nem preciso passar por isso, não é?

As-fraternidades-e-seus-trotes-humilhantes

As fraternidades e seus trotes humilhantes

9- Princípios

Mais uma coisa a se levar em consideração é que quando você entra em uma fraternidade, você precisa obedecer às regras da casa. Ou seja, você precisa fazer tudo o que todos mandam. Você precisa “fit-in” ou seja, mudar sua personalidade para se enquadrar nos objetivos da organização. 

10- Ambições

Eu tenho ambições de vida muito grandes e muito diferentes de muitos adolescentes. Portanto, eu preciso fazer coisas diferentes e abrir mão de várias coisas. Se eu tenho ambições gigantes, as minhas ações precisam corresponder. E sinceramente, estar em uma fraternidade não seria a melhor escolha.

Sim, eu sei que eu tenho pontos bem contraditórios e talvez diferentes do que você está acostumado a ver por aí. Porém, só eu sei o quanto foi difícil chegar onde eu cheguei hoje e sei também que não irei abrir mão dessa oportunidade. 

Talvez tenha gente que venha falar que eu só estou falando isso porque não consegui entrar em uma dessas fraternidades nos EUA ou porque a minha faculdade não tem fraternidades boas. Mas a verdade é que eu só estou trazendo uma visão diferente de quem está vivendo isso numa faculdade americana. Ainda quero trazer amigos meus, brasileiros, que estão em uma fraternidade americana, e que adoram essa experiência, para rebater cada um dos meus pontos!

Se você quiser se preparar para conseguir as melhores oportunidades em universidades estrangeiras, nossa mentoria pode te ajudar! Faça agora mesmo o seu teste de perfil clicando aqui e junte-se ao nosso time de mentorados!  

Texto por Lucas Gomes