Como lidar com o fim do intercâmbio?

Muito se fala nos preparativos pré-intercâmbio e na saudade que temos da família e amigos durante a experiência fora. Mas e quando o nosso tempo no exterior acaba e temos que voltar pra casa? Lidar com o vazio que fica quando voltamos para nossa “vida real” não é tarefa fácil. E é um sentimento um pouco confuso: ao mesmo tempo que ficamos felizes em rever quem amamos, ficamos tristes de deixar todas as pessoas incríveis que conhecemos pra trás. E sem falar, claro, da cidade e do país que chamamos de casa por tantos meses. Mas qual é a melhor maneira de lidar com o fim do intercâmbio?

5 dicas para lidar com o fim do intercâmbio:

Não compare

A primeira e grande dica: não seja aquela pessoa que fica comparando o Brasil e o país do intercâmbio a todo momento com ar de superioridade. Tenha em mente que são duas realidades completamente diferentes. Nem melhores, nem piores. Assim como existem coisas que são mais desenvolvidas lá fora, também existem coisas em que o Brasil se destaca. E também tenha em mente que a sua experiência fora te mudou como pessoa. Mas os que ficaram para trás te esperando voltar continuam os mesmos. Então não queira impor seus novos modos de vida e pensamento de maneira tão drástica.

Utilize a tecnologia para matar a saudade

Uma das melhores coisas do intercâmbio são as pessoas que conhecemos. Gente de todos os lugares do mundo que, de repente, se tornam melhores amigos da vida. Mas e quando tudo acaba e voltamos para nosso país de origem? Não é preciso perder o contato com ninguém. Claro que não será mais o mesmo. Mas o auxílio da tecnologia somado com o carinho que sempre teremos por essas pessoas é o suficiente para a manutenção dos laços. Então use a abuse do WhatsApp, Messenger, Skype e outras plataformas. Só não esqueça que a sua vida agora é no seu país. Pelo menos por enquanto.

Ocupe seu tempo

Não quer ficar o tempo todo pensando nas coisas que ficaram para trás no país que você chamou de casa por tantos meses? Então trate de ocupar seu tempo. Invista em atividades que vão te agregar como pessoa: cursos, trabalho voluntário, passar mais tempo com a família, etc.

Se o seu objetivo em fazer intercâmbio era ter uma o pós ou um curso de idiomas para dar um up na carreira, por exemplo, então faça o investimento valer a pena. Reformule seu currículo. Gaste seu tempo procurando um emprego melhor ou mostrando no seu emprego antigo o tanto que você se desenvolveu e o quanto isso é importante para a empresa.

Aproveite o seu país

Por mais que sua experiência lá fora tenha sido incrível, tem coisas que você só encontra no Brasil, não importa o quanto rode por esse mundão  afora.  Começando pela simpatia das pessoas, por mais clichê que isso possa parecer. E sem falar nas comidas, nas festas e nos lugares que amamos… A forma mais fácil de lidar com o fim do intercâmbio é se reconectar com as coisas que você mais ama do seu país de origem.

Reconecte-se com você mesmo

Nada melhor que passar um tempo fora do país para podemos nos reavaliar como pessoa e analisar o que temos feito em nossas vidas para que ela melhore. Então utilize esse tempo de readaptação para se reconectar com o seu eu interior e use todas as mudanças pelas quais você passou no exterior para desenvolver a sua vida aqui.

Lidar com o fim do intercâmbio não é tarefa fácil. Aquelas memórias da nossa vida lá fora sempre vão ficar guardadas num cantinho da nossa mente, podendo reaparecer aleatoriamente em diversos momentos da nossa readaptação, e mesmo depois dela.  O segredo é não usar essas lembranças de modo negativo.

Você está aí se perguntando como fazer para conquistar a sua oportunidade internacional? Então comece a se preparar contando com o apoio da nossa mentoria especializada e todo o nosso time de mentores. Faça agora mesmo o seu teste de perfil clicando aqui.

Rafael Cerqueira

Rafael Cerqueira

Jornalista de 26 anos que adora viajar. Baiano que já viveu em Minas, em São Paulo, em Portugal e na Argentina. Conhece 26 países e tem o sonho de conhecer muito mais. Acredita que o mundo é grande demais e o tempo muito curto pra ficarmos parados sempre no mesmo lugar.