Se você já pensou em fazer uma pós-graduação, certamente já se deparou com a expressão “doutorado sanduíche" ou “doctoral stay”. Essa modalidade consiste em fazer uma parte do seu curso de doutorado em outra universidade que pode ser fora ou dentro do seu país. Neste texto nós vamos te explicar quais são as vantagens de optar por um doutorado sanduíche no exterior para te ajudar a fazer a melhor escolha!

O que é exatamente um doutorado sanduíche?

O doutorado é o último nível acadêmico que você pode atingir. Ele é um tipo de pós-graduação stricto sensu, assim como o mestrado. Porém, as universidades têm que cumprir uma série de critérios determinados pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para oferecer esse nível de formação.

Intercâmbio na pós-graduação: o que é um doutorado sanduíche?

Isso porque ser doutor ou doutora não é brincadeira. O título demonstra que você tem capacidade de fazer uma pesquisa profunda e contribuir efetivamente com o seu campo de conhecimento. Para isso, no Brasil, é preciso estudar entre três e quatro anos fazendo disciplinas avançadas e defendendo uma tese no final.

Quando se opta por um doutorado sanduíche você cursa algumas das suas disciplinas (geralmente as eletivas) em outra universidade. Você pode fazer isso mesmo entre universidades brasileiras. Por exemplo, você pode optar por fazer disciplinas isoladas em outras instituições e depois pedir aproveitamento dos seus créditos.

O que é graduação sanduíche?

No exterior algumas universidades do mesmo país estabelecem parcerias que tornam esse processo ainda mais fácil. Isso quer dizer que, se você faz um doutorado em Harvard provavelmente não terá problemas para fazer matérias em outra Ivy League. O mesmo vale entre as instituições do Consórcio de Claremont, por exemplo.

Apesar de não ser preciso sair do país para fazer um doutorado sanduíche, essa expressão é mais usada quando fazemos o início e o final do curso na nossa instituição de origem e passamos alguns períodos do meio em uma universidade estrangeira. Seguindo a analogia do sanduíche, o pão (ou a base) seria o nosso curso original e o recheio (complemento) seria o período de 3 a 12 meses no exterior. Mas por que essa modalidade vale a pena?

1. Te faz ter um currículo de destaque

Fazer um curso de doutorado é uma ótima forma de melhorar o seu currículo. Prova disso é que apenas 0,1% dos brasileiros entre 25 e 64 anos são doutores, bem abaixo da média mundial que é de 1% segundo os dados divulgados em 2020 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD). Ainda segundo esta pesquisa, a nação com maior percentual de doutores é a Eslovênia, com 8%, uma taxa bem acima da média.

Dos 46 países avaliados, o Brasil se encontra na 42ª posição quando é levado em conta o número de bacharéis, mestres e doutores. O primeiro lugar fica para a Irlanda, onde 63% da população têm algum nível de ensino superior e 2% são doutores.

Nesse cenário de poucos doutores no mundo, fazer um doutorado sanduíche vai destacar ainda mais o seu currículo. Isso vai aumentar as suas chances de conseguir uma vaga de professor em uma universidade no Brasil e até conquistar uma vaga em uma instituição internacional, já que você terá criado um networking quando estiver fora.

2. É relativamente fácil de conseguir uma bolsa

Uma das maiores preocupações dos alunos que querem estudar no exterior é: “como eu vou pagar por isso?”. No caso do doutorado sanduíche, existem muitas possibilidades de bolsas oferecidas por instituições nacionais como a CAPES e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), além de parcerias entre as universidades brasileiras e as internacionais.

10 bolsas de pós-graduação nos Estados Unidos

Esses auxílios geralmente incluem as mensalidades e taxas da universidade estrangeira, as passagens, a acomodação, os seguros necessários e até um auxílio mensal para despesas do dia a dia fora do país. Tudo isso com exigências simples como:

  • Ser brasileiro ou residente permanente;
  • Estar matriculado em um curso de doutorado brasileiro reconhecido pela CAPES;
  • Não ser aposentado;
  • Ter aprovação dos seus orientadores brasileiro e estrangeiro;
  • Não acumular outras bolsas vindas do Tesouro Nacional;
  • Ter domínio do idioma do país de destino comprovado pelo orientador estrangeiro.

É possível que a bolsa que você queira se candidatar tenha critérios específicos, mas um detalhe interessante é que, diferente do que acontece nas bolsas para pós-graduação no Brasil, a princípio não é preciso abrir mão de outras fontes de renda. Além disso, você não precisa necessariamente fazer um exame de proficiência, já que a exigência geral é a confirmação do orientador estrangeiro.

Aliás, não existe uma prova padrão para conseguir essa oportunidade. Segundo os critérios disponíveis no site oficial do governo, a seleção é feita a partir da análise do seu currículo, do currículo do seu novo orientador(a), pela relevância da instituição internacional e pela importância da sua proposta de pesquisa para a sua área de conhecimento.

3. Contribui muito com a sua pesquisa

Uma das principais vantagens de fazer um doutorado sanduíche é enriquecer a sua pesquisa. Normalmente, os projetos aprovados para esse tipo de bolsa têm objetos de pesquisa que se beneficiam de uma estadia no exterior. Por exemplo, se você estuda a colonização brasileira pode valer a pena consultar documentos que estão disponíveis nos arquivos de Portugal que você tem acesso fazendo uma parte do curso por lá.

Além de engrandecer a sua pesquisa sobre o objeto, fazer um doctoral stay permite que você amplie seus horizontes acadêmicos. Isso acontece porque você vai ter acesso a novas bibliografias que ainda não são usadas no Brasil e também vai ter contato com um método de ensino diferente do que estamos acostumados por aqui. Uma outra vantagem para a sua pesquisa é ter acesso a laboratórios e equipamentos sofisticados que não necessariamente você teria no nosso país.

4. Não precisa revalidar seu diploma no Brasil

É claro que fazer um PhD diretamente no exterior é uma experiência muito enriquecedora, mas ela possui um empecilho: o seu diploma não é válido no Brasil. Para conseguir o reconhecimento nacional é necessário revalidar o seu diploma. No caso do doutorado esse processo pode ser feito por qualquer instituição com curso de doutorado reconhecido pela CAPES, seja pública ou particular.

Como revalidar o seu diploma quando voltar para o Brasil?

Se o seu curso de PhD foi feito em uma grande instituição, provavelmente você não terá grandes problemas para conseguir o diploma brasileiro. Mesmo assim, é necessário defender o seu trabalho novamente e o processo pode levar algum tempo.

Já no caso do doutorado sanduíche, você não vai ter essa preocupação. Além de ter todas as vantagens de estudar fora, o seu diploma será emitido pela sua instituição de ensino no Brasil. Assim, você já será automaticamente doutor ou doutora quando terminar o seu curso.

5. Você ganha enriquecimento cultural

Sem dúvidas fazer um doutorado sanduíche contribui muito para a sua vida profissional e acadêmica, mas também é vantajoso para a sua vida pessoal. Estar fora do país é uma experiência rica que te permite conhecer novas culturas, visitar atrações conhecidas internacionalmente, fazer grandes amizades e compreender melhor o mundo e o país em que vivemos. Agora, ter essas experiências todas e ainda o título de doutor é o melhor dos dois mundos!

Intercâmbio com a UDI

Ficou com vontade de fazer um doutorado sanduíche no exterior? Então comece a se preparar agora mesmo com a mentoria especializada da Universidade do Intercâmbio. Nossos mentores já estiveram nas principais universidades do planeta e te ajudam a conquistar a melhor oportunidade para você! Tire o seu sonho do papel! Faça agora mesmo teste de perfil clicando aqui.