Se você for fazer um intercâmbio na Nova Zelândia por até 3 meses, só um visto de turismo já é o suficiente para poder frequentar as aulas. Porém, se esse não for o seu caso, você vai precisar tirar o visto de estudante neozelandês. Então, como é o processo para dar entrada nesse visto e o que é preciso? Explicamos isso aqui nesse texto e ainda separamos algumas outras informações importantes!

Qual é o processo para tirar o visto de estudante neozelandês?

3-visto-de-estudante-neozelandes

Wellington, capital da Nova Zelândia

Para solicitar o visto de estudante neozelandês, você pode fazer sua inscrição online ou pessoalmente, antes mesmo de viajar. Para se inscrever pessoalmente, você vai precisar entrar em contato com uma das representações do país aqui no Brasil (um consulado ou a embaixada) para obter um formulário de inscrição. De acordo com o Ministério das Relações Internacionais (Itamaraty), há dois consulados neozelandeses no país: o geral, em São Paulo (SP) e outro honorário no Rio de Janeiro (RJ). A embaixada, por sua vez, fica em Brasília (DF).

Por outro lado, para se inscrever pela internet para o visto de estudante neozelandês, você deve acessar o site oficial da secretaria de imigração do país e criar um cadastro. Lembre-se que você deve se inscrever pelo menos 6 semanas antes de viajar para a Nova Zelândia.

As taxas de inscrição variam de país para país e podem sofrer alterações ao longo dos anos. Você pode encontrar os valores atualizados nesta página.

Além do formulário de inscrição, você deve apresentar:

  • Carta de aceite de uma universidade na Nova Zelândia

Para o seu pedido de visto de estudante neozelandês, você vai precisar comprovar a sua aprovação em uma instituição de ensino credenciada da Nova Zelândia.

  • Comprovação de fundos

Você também vai precisar mostrar que possui fundos suficientes para pagar suas mensalidades e para cobrir seus custos de vida enquanto estuda na Nova Zelândia (isso pode incluir comprovantes de empréstimos, garantia de bolsas de estudos, saldo bancário positivo ou outros tipos de fundos). Você precisa provar que tem pelo menos NZD$ 15.000 (cerca de R$ 51 mil) por ano, se o curso for superior a nove meses.

  • Comprovação de fundos para entrada e saída do país

Isso pode ser comprovado com os recibos de passagens aéreas já pagas, prova de fundos adicionais ou contrato com um patrocinador para pagar as viagens posteriores (como no caso das bolsas de estudos). O objetivo é mostrar que você pretende  deixar o país depois de concluir seus estudos e que pode arcar com os custos.

  • Seguro de viagem

Em alguns casos, a instituição de ensino pode providenciar esse seguro. Mas, de qualquer forma, o ideal é contratar um seguro mesmo se esse não for um item obrigatório na universidade. 

  • Atestados médicos

Se você planeja estudar na Nova Zelândia por mais de 12 meses, vai precisar fornecer um atestado médico geral, um exame de raio-X do tórax e possivelmente realizar uma triagem de tuberculose.

  • Comprovação de vínculo com o Brasil

Como o visto de estudante neozelandês é voltado unicamente para estudos, você precisa provar que pretende (e tem motivos para) retornar ao Brasil depois da conclusão do seu curso. Para isso, existem algumas opções. Por exemplo, você pode fornecer informações sobre a sua família (marido, esposa, filhos, pais), vínculo empregatício, negócios e propriedades. É possível também apresentar uma carta de intenções.

Se você tem menos de 18 anos, também vai ter que fornecer um comprovante de acomodação e, se tiver 17 anos ou mais, um certificado de “bom caráter” (ou seja, um atestado de antecedentes criminais).

Além dos comprovantes acima, você ainda vai precisar apresentar:

  • Duas fotos coloridas (3×4);
  • Um passaporte válido por pelo menos três meses após a data em que você planeja deixar a Nova Zelândia
  • Recibo de pagamento da taxa de solicitação do visto de estudante neozelandês

Em geral, as solicitações online levam cerca de 20 dias para serem processadas, enquanto os pedidos feitos pessoalmente podem demorar até 25 dias.

1-visto-de-estudante-neozelandes

Universidade de Otago, na Nova Zelândia

Endereços e canais de contato das representações da Nova Zelândia no Brasil

Embaixada da Nova Zelândia em Brasília
http://www.nzembassy.com/brazil
emb.novazelandia@gmail.com
SHIS QI 9, conjunto 16, casa 1 – Lago Sul. CEP 71625-160 – Brasília – DF
Tel: +55 (61) 3248-9900

Consulado-Geral da Nova Zelândia em São Paulo
Cônsul-geral: Steve Jones
consuladonz@nzte.govt.nz
Avenida Paulista, 2421 – Edifício Bela Paulista 12º andar – Bela Vista. CEP 01311-300 – São Paulo – SP
Tel: +55 (11) 3898-7413

Consulado Honorário da Nova Zelândia no Rio de Janeiro
Cônsul honorário: Joaquim Francisco Monteiro de Carvalho Neto
jfmcn@uol.com.br
Av. Afrânio M Franco 290, Sala 101 – Leblon. CEP 22430-060 – Rio de Janeiro – RJ
Tel: +55 (21) 98909-3720

É possível trabalhar na Nova Zelândia com o visto de estudante? 

Intercambistas que estudam em período integral com o visto de estudante neozelandês têm permissão legal para trabalhar por até 20 horas por semana durante o período letivo e podem trabalhar em tempo integral durante todos os períodos de recesso programados, como Natal, Páscoa e férias de verão. A experiência profissional exigida em seus estudos (estágios) não conta para o limite de 20 horas. Além disso, estudantes internacionais não podem trabalhar por conta própria.

Estudantes de pós-graduação (mestrado e doutorado) podem trabalhar quantas horas quiserem. Após os estudos, você ainda pode trabalhar na Nova Zelândia, mas vai precisar consultar as autoridades do país e solicitar o visto de trabalho apropriado.

2-visto-de-estudante-neozelandes

Universidade de Waikato, em Hamilton (Nova Zelândia)

Intercâmbio com a UDI

Agora você já sabe como pode tirar o visto de estudante neozelandês. Que tal começar a se preparar para conquistar sua oportunidade no país ou em qualquer outro lugar no exterior? A nossa mentoria especializada pode te ajudar nesse processo. Faça agora mesmo o seu teste de perfil. Basta clicar aqui!


Lucas Almeida

Lucas Almeida

Mineiro, jornalista e mestrando em Comunicação. Entusiasta de idiomas, viagens e cibercultura. Tem o sonho de mudar o mundo, uma pauta de cada vez.