Nós já falamos aqui no Blog sobre o Dartmouth College, uma das instituições que fazem parte da Ivy League americana. Se você ainda não viu, clique aqui para conhecer mais sobre a universidade. Agora vamos falar sobre um programa de bolsas de graduação incrível (e ainda pouco conhecido aqui no Brasil) dessa instituição que já está quase chegando na sua 20ª edição: o King Scholar Leadership Program. Continue com a gente para descobrir mais sobre esse programa.

História do King Scholar Leadership Program

O King Scholar Leadership Program foi criado pelo casal Bob and Dottie King em parceria com o Dartmouth College no ano de 2003 para prover uma educação de excelência para estudantes com alto potencial de países em desenvolvimento da América Latina, África e Ásia. No entanto, além dessas regiões, também já foram aprovados no programa alguns estudantes do Caribe e do Leste Europeu.

Bob King se formou em Dartmouth em 1957 e obteve um MBA em Stanford em 1960. Anos depois ele fundou a Peninsula Capital, uma empresa de capital de risco com sede em Menlo Park, na Califórnia.

É importante lembrar que nos EUA é bastante comum ex-alunos bem sucedidos patrocinarem os estudos de novos alunos com alto potencial, sejam eles americanos ou estrangeiros. E o King Scholar Leadership Program é um exemplo perfeito dessa tradição.

Estude nos EUA com o programa King Scholar Leadership 1
Biblioteca Baker-Berry, a principal do Dartmouth College (Foto: Amstrong White/Flickr)

Público-alvo do King Scholar Leadership Program

O King Scholar Leadership Program tem como público-alvo estudantes de baixa renda com alto potencial de países em desenvolvimento que estejam interessados ​​em reduzir a pobreza em seus países de origem.

Os alunos aceitos em Dartmouth como King Leadership Scholars recebem uma bolsa de estudos de quatro anos, orientação, treinamento de liderança e oportunidades de estágio.

Após a formatura, é esperado que os bolsistas do programa retornem aos seus países de origem para trabalhar com questões relacionadas à pobreza e a solução desse problema, contando com o apoio de uma ampla rede de ex-alunos da instituição.

Todos os candidatos internacionais qualificados para Dartmouth serão considerados para o programa King Scholar. Isso significa que não existe uma aplicação específica para a bolsa. Em vez disso, cada candidato deve fazer o seu processo de aplicação no portal Common Application, uma plataforma de inscrições universitárias bastante utilizado entre as universidades americanas.

Os candidatos que tiverem interesse no programa, no entanto, são incentivados a enviar uma recomendação adicional de um professor, mentor, conselheiro, amigo ou líder comunitário através de um e-mail disponível na seção Recommend a Scholar no site do programa.  

Como funciona o programa na prática?

Os alunos do primeiro e segundo ano do King Scholars participam da King Leadership Week em Washington, D.C. ou na cidade de Nova York. Durante uma semana, eles se reúnem com líderes em desenvolvimento internacional, aprendem sobre os atuais projetos internacionais de redução da pobreza e fazem networking para futuros estágios e/ou empregos.

Outra características interessante é que os bolsistas do programa passam parte de cada ano da graduação em estágios de desenvolvimento internacional que podem acontecer em instituições bancárias internacionais, ministérios estrangeiros, ONGs ou outras organizações. Além disso, durante o curso os bolsistas têm a oportunidade de desenvolver e implementar projetos originais voltados para o enfrentamento da pobreza extrema.

Qual é o perfil do candidato ideal para o King Scholar Leadership Program?

O King Scholars procura alunos que sejam envolvidos em atividades da sua comunidade; apaixonados por criar mudanças positivas e pelas questões globais; e interessados em reduzir a pobreza em seus próprios países. Já na parte mais técnica, também é necessário ter proficiência em inglês e um excelente histórico acadêmico comprovado pelas notas do Ensino Médio.

King-Scholar-Leadership-Program-Participantes
Alguns dos participantes da última edição do King Scholar (Foto: Dartmouth)

Algum brasileiro já foi aprovado no programa?

Sim, e não apenas isso! Na última turma do programa – a de 2019, os brasileiros são maioria entre os 28 bolsistas. A divisão dos participantes dessa última edição é a seguinte:

  • América Latina e Caribe: Brasil (5 participantes); Jamaica(2); Peru (1); Honduras (1)
  • África: Zimbábue (3); Ruanda (2); Quênia (2); Etiópia (1); Nigéria (1); República Democrática do Congo (1); Gana (1)
  • Ásia: Camboja (1); Nepal (1); Filipinas (1); Índia (1); Vietnam (1); Paquistão (1); Iêmen (1)
  • Europa: Bósnia (1)

Como se aplicar para Dartmouth?

As inscrições para estudantes internacionais em Dartmouth são avaliadas da mesma maneira que todas as aplicações de estudantes americanos. O Comitê de Admissões da instituição utiliza um processo de revisão holístico e individualizado para garantir que cada candidatura seja avaliada em todos os seus aspectos objetivos e subjetivos.

A instituição também procura entender cada candidato dentro de seu contexto pessoal e acadêmico e considera na avaliação documentos como históricos escolares, notas de testes, redações (essays), cartas de recomendação, teste de proficiência em inglês (TOEFL, IELTS, Duolingo English Test ou Cambridge C1/C2) e outras informações relativas ao que o candidato faz com o seu tempo fora da escola (participação em atividades sociais e voluntárias ou em atividades esportivas, por exemplo).

Para conhecer todos os majors oferecidos pela instituição clique aqui.

Universidade do Intercâmbio

Gostou de conhecer mais sobre o King Scholar Leadership Program do Dartmouth College? Então que tal começar a se preparar para conquistar essa oportunidade tão incrível? Nós podemos te ajudar com isso através da nossa mentoria especializada. Faça agora mesmo o seu teste de perfil clicando aqui e junte-se ao nosso time de mentorados!


Rafael Cerqueira

Rafael Cerqueira

Jornalista de 26 anos que adora viajar. Baiano que já viveu em Minas, em São Paulo, em Portugal e na Argentina. Conhece 26 países e tem o sonho de conhecer muito mais. Acredita que o mundo é grande demais e o tempo muito curto pra ficarmos parados sempre no mesmo lugar.