Preciso estudar em uma Ivy League para ser bem-sucedido?

Muita gente, quando pensa em fazer intercâmbio (principalmente nos EUA), acha que precisa estudar em uma Ivy League para ter uma carreira de sucesso. Mas será que isso é verdade? Trouxemos aqui alguns fatos e dados que vão te mostrar que, para ter uma carreira de sucesso você não precisa, necessariamente, frequentar uma escola de elite.

É preciso estudar em uma Ivy League para ser bem-sucedido?

Para começarmos a discutir sobre esse tópico, aqui está a lista completa de todas as universidades que compõem a Ivy League:

As universidades Ivy League ficam localizadas na parte nordeste dos Estados Unidos e são conhecidas por serem altamente seletivas e muito prestigiadas. Em termos de esportes, a Ivy League faz parte da Divisão I da National Collegiate Athletic Association (NCAA). No entanto, ela é a única conferência nessa divisão que não concede bolsas de estudo para atletas.

2-estudar-em-uma-ivy-league

Dartmouth College

Mas enfim, estudar em uma Ivy League é sinônimo de sucesso?

Para responder a essa pergunta, consultamos os perfis dos empreendedores listados no site Crunchbase, uma plataforma que reúne as empresas mais bem-sucedidas e inovadoras do planeta, e as pessoas por trás delas. Hoje, o banco de dados do Crunchbase é usado como um termômetro para o sucesso em todo o mundo dos negócios, e as universidades que formam os fundadores e CEOs listados no Crunchbase podem usá-los como exemplos para atrair novos estudantes.

Os principais insights dessa pesquisa foram:4-estudar-em-uma-ivy-league

  • Entre as 10 melhores universidades que formam o maior número de empreendedores do Crunchbase, NÃO há instituições da Ivy League.
  • Entre os empresários com uma classificação de 1 a 500 no Crunchbase, 51,2% se formaram em instituições de pouco prestígio (ou seja, universidades que estão fora do top 400).
  • Entre os empresários da Crunchbase com uma classificação de 1 a 100, 22% frequentaram uma universidade da Ivy League; no entanto, 11% deles obtiveram seu primeiro diploma em uma universidade que não está incluída na lista das 1.000 melhores universidades do mundo.
  • Cerca de 70% dos empresários frequentaram apenas uma universidade, o que significa que obtiveram apenas o diploma de bacharel.

Ir para uma universidade (em especial no exterior) te oferece a oportunidade de aprender bem como funciona o setor em que você deseja trabalhar. Sendo assim, escolher bem a universidade é importante, porque as conexões que você faz enquanto estuda lá vão te ajudar muito em sua futura carreira. De acordo com os dados do Crunchbase, Stanford é o local mais popular entre os empreendedores com as classificações mais altas (veja a tabela abaixo).

Nome

Posição no QS World University Rankings 2020

1. Stanford

2

2. MIT

1

3. Universidade da Califórnia (Berkeley)

28

4. Carnegie Mellon University

48

5. Duke University

25

Como é possível observar, nenhuma das universidades no top 5 do Crunchbase são da Ivy League (apesar de também serem bem conhecidas e prestigiadas). Esse já é um indicativo que estudar em uma Ivy League não é garantia de êxito na carreira. Nesses casos, o que pode garantir o sucesso de um estudante é o networking. Stanford, por exemplo, a mais bem colocada da lista, reúne pessoas que têm interesse em se ajudar no desenvolvimento de negócios. Prova disso são as conquistas das empresas situadas no Vale do Silício (como Google, Apple, Microsoft e Tesla), nos arredores da universidade.

1-estudar-em-uma-ivy-league

Stanford

Além disso, dos empreendedores mais influentes do Crunchbase (aqueles com uma classificação de 1 a 500), 51,2% se formaram em faculdades de baixo prestígio (ou seja, universidades que estão fora do top 400). Abaixo, você encontra alguns exemplos de pessoas famosas (e bem-sucedidas) que não obtiveram seu primeiro diploma nas faculdades “nível 1”, aquelas que estão entre as 50 melhores:

Nome

Universidade

Posição no ranking da QS

Marc Benioff

University of Southern California

129

Barack Obama

Occidental College

N/E

Mark Cuban

Indiana University (Bloomington)

312

Marc Andreessen

University of Illinois at Urbana-Champaign

75

Diane Greene

University of Vermont (Burlington)

571 – 580

Gary Vaynerchuk

Mount Ida College

N/E

Jack Ma

Hangzhou Normal University

N/E

Bryan Johnson

Brigham Young University (BYU)

751 – 800

Kristopher B. Jones

Villanova University

N/E

N/E = não entrou no ranking

Não só os dados do Crunchbase mostram que estudar em uma Ivy League não é sinônimo de êxito. No livro “Where You Go Is Not Who You’ll Be” (disponível aqui, em inglês), o jornalista e escritor Frank Bruni afirma que, entre os CEOs nascidos nos Estados Unidos que são chefes das empresas listadas no Fortune 500, apenas 30 frequentaram uma universidade da liga.

Isso quer dizer que eu não devo estudar em uma Ivy League?

De forma alguma! O que esses dados mostram é que não é necessário estudar em uma Ivy League para ser bem-sucedido(a). Isso, no entanto, não diminui em nada a qualidade e o prestígio dessas universidades. Em outras palavras, o seu sucesso (em termos de carreira após a graduação) depende apenas de você mesmo(a), seja em uma instituição da Ivy League ou não.

Ao escolher a universidade em que vai fazer o seu intercâmbio, você pode analisar outros indicadores (além da presença ou não da instituição na Ivy League), como empregabilidade. Além disso, para definir a qualidade de um curso você deve analisar os rankings específicos da área, bem como os que avaliam especificamente o nível de ensino para o qual você vai aplicar (graduação, mestrado ou doutorado, por exemplo).

Intercâmbio com a UDI

Você continua interessado(a) em estudar em uma Ivy League ou mudou de ideia? Conta para a a gente nos comentários! Independente da sua escolha, a nossa mentoria especializada (100% online), como todo o nosso time de mentores, pode te ajudar a conquistar sua oportunidade no exterior. Clique aqui e faça agora mesmo o seu teste de perfil.

Lucas Almeida

Lucas Almeida

Mineiro, jornalista e mestrando em Comunicação. Entusiasta de idiomas, viagens e cibercultura. Tem o sonho de mudar o mundo, uma pauta de cada vez.